Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Mr. Blog sem nome

Fic (de momento): Don't miss you at all 2

Don't miss you at all 2 «46»

por Bê, em 01.02.17

Último capítulo que tenho escrito desta fic. Socorro. Tenho mesmo-mesmo-mesmo de retomar a escrita dela. Vontade não me falta, verdade seja dita. Estive mais de um mês sem postar. É verdade. Ainda é necessário relembrar que demore o que demorar a fic não vai deixar de ser postada até ao fim?


 

Capítulo 46

 

 

Olhos nos olhos com ela, o moreno voltou a aproximar-se; os seus lábios já a esboçar um sorriso porque os dela faziam o mesmo e ele queria retribuir a serenidade que ela lhe transmitia. Quando se sentou no banco alto que antes abandonara deu um gole no café quente para disfarçar uma risada embaraçosa. O dia mal tinha começado, o seu mau humor mal tinha passado e Hayden já o deixara tão satisfeito ao buscar uma aproximação por si mesma. Era assim que ela devia sempre estar: perto de si.

- Como é que te sentes? - Perguntou Hayden baixinho como se um tom acima do sussurro pudesse romper a bolha em que eles se mantinham.

- Bem. - Respondeu Tom, chegando-se mais a Hayden. Os seus joelhos já tocavam nela e já constituíam um entrave na aproximação, por isso abriu as pernas e albergou-a entre as mesmas - Fez-me bem ficar em casa ontem. Hoje já não tenho febre. - Um sorriso astucioso surgiu com a afirmação. Os seus pensamentos debruçados nas memórias da noite anterior quando ela chegara e vira se ele tinha febre. Talvez ela estivesse a pensar no mesmo. O sorriso que lhe apresentava mostrou-se ligeiramente tímido e as suas faces ostentaram rubor - Podias ver se eu tenho razão... - Acrescentou Tom ao encostar a face ao ombro dela. O facto de ela estar a olhar para si e não se ter mexido fez com que os seus rostos ficassem próximos.

- Acho que não tenho jeito para isso. - Respondeu Hayden. A ponta de acanho tinha desaparecido para dar lugar a uma mulher disposta a provocar - Da última vez...

- Fizeste-o perfeitamente bem. - Completou Tom com a voz rouca. Estava a seduzi-la e a embriagá-la com a energia da sua luxúria.

- Distraí-me e fiz tudo ao contrário. - Corrigiu Hayden com uma risada que se estendeu quando ele fez beicinho por não ter colhido grandes frutos com a sedução. No entanto, ela estava realmente curiosa quanto ao estado de Tom.

Estava suficientemente abstraída da presença de Charlotte e Bill naquela cozinha para chegar o seu rosto ainda mais a Tom. Uma vez que ele tinha o queixo apoiado no seu ombro, Hayden usufruiu da proximidade para levar os lábios à testa do moreno. Viu a sua temperatura com o contacto, prolongando o tempo do mesmo porque tocá-lo era revitalizante e só se fosse parva é que não aproveitaria. Deu-lhe um e mais outro beijo na testa com carinho, saudando-o como ainda não tinha feito desde que acordara e aparecera na cozinha, e Tom agitou-se com a demora, como se a cumplicidade causada pelo afecto piorasse a tensão causada pela libido.

- Passaste bem a noite? - Perguntou o moreno num sussurro, fervendo em anseio.

- Claro. - Proferiu Hayden após um aceno discreto.

Ela esboçava um sorriso quando se afastou para o olhar nos olhos, dando com a sua agitação bem patente no olhar turvo, escurecido pela sedução. Até que ponto ele estava à vontade com aquilo que tinham voltado a ter para a beijar em frente a Charlotte e a Bill? O gémeo mais novo chegara a presenciar algum afecto na noite anterior, mas, ainda assim, Tom podia ser imprevisível em relação a ela.

- Estava contigo, lembras-te? - Hayden continuou - Como é que haveria de não dormir bem?

Ela não podia dizer uma coisa daquelas e não esperar qualquer tipo de reacção abrupta da parte dele quando Tom se via tão sensível a qualquer tipo de aliciação. Ao interiorizar as palavras da morena, grunhiu baixinho e despediu-se do seu controlo, agindo possessivamente sobre ela, ávido por reivindicar o que era seu.

Se ela chegou a duvidar sobre o à-vontade dele em frente à família, Tom deixou tudo bem claro quando levou os lábios aos dela e a beijou com minúcia, roubando-lhe o ar como se beijá-la portasse vida o suficiente para ela subsistir. O café que ele tinha ido buscar fora esquecido com o chá dela; arrefeciam enquanto a temperatura da bolha aumentava e tornava ainda mais complicado escapar do desejo por qualquer tipo de proximidade entre os dois. Já não se tratava apenas dos anseios dele. Qualquer que fosse a vontade de Tom, Hayden estava pronta a deixar-se levar pela aventura. Mas não na cozinha, não naquele momento com...Bill e Charlotte a fazer-lhes companhia.

- Oh!

Hayden teve coragem suficiente para deixar o beijo quando a lucidez a atingiu em cheio. Perder-se com Tom era tão comum... Por quanto tempo teriam estado daquela maneira? Ainda dispersa, ela olhou à sua volta, em direcção a onde se lembrava de encarar Charlotte e Bill pela última vez. Viu-os encostados à bancada, servidos com o primeiro reforço de café da manhã, a observá-la com Tom como se juntos fossem o programa da manhã favorito dos noivos. A atenção do casal deixou-a encavacada o suficiente para retirar dos ombros de Tom os braços que não se recordava de lá pôr. Não tinha vergonha de Bill nem de Charlotte, mas às vezes, quando extraviados no seu mundo, ela e Tom podiam ser muito intensos...

- Por favor, não se acanhem por nossa causa.

Ainda que Bill parecesse honesto, a vontade de rir era evidente por detrás da caneca de café que fumegava em frente à face. Ele falhara, quase propositadamente, em os deixar à-vontade porque vê-los acanhados era divertido. Contudo, por muito que Tom já exibisse algum desconforto pela indiscrição do irmão, fez por atenuar a apoquentação que ela pudesse sentir. Beijou-a no rosto e evidenciou a sua veia possessiva ao mantê-la segura pela cintura, esperando que a mensagem fosse bem recebida por Hayden: Tom não queria distância. Bill, que não conseguia deixar de olhar para o irmão, manteve o sorriso escondido pela sua caneca enquanto Tom e Hayden voltavam a partilhar de uma cumplicidade através de troca de olhares. A seu lado, Charlotte observava o mesmo que ele. Discretamente, Bill deu-lhe uma pequena cotovelada para atrair a sua atenção e, quando os olhos de Charlotte pousaram em si, o loiro exibiu um sorriso atrevido, apontando para o casal com a cabeça. A piscadela que ofereceu a Charlotte fê-la rir ao perceber as intenções do gémeo em provocar o irmão.

- A que horas chegaste ontem, Charlie? - Perguntou Bill como meio de introdução - Lembro-me de ir para o quarto contigo, mas não me lembro das horas.

- Já passava da meia-noite. - Respondeu Charlotte - Fui jantar com a Jo e depois passei pela casa da Annabel. Ela tinha umas revistas sobre casamentos em que eu queria deitar uma vista de olhos. - Sorriu para Bill - Acabei por lá ficar um bocado por causa da Joanne. Ela e a Lucie estiveram a brincar e depois quiseram ver um filme. Desculpa ter-te deixado tanto tempo sozinho. - Acrescentou, sendo sincera, ainda que o seu olhar já estivesse novamente pousado em Tom e Hayden - De qualquer forma, acho que não tiveste um mau serão.

- Não, foi bom. - Disse Bill ao olhar igualmente para a babysitter da sua filha e para o seu irmão que o observava de sobrolho erguido como se já esperasse alguma coisa da sua parte. Eles conheciam-se mesmo bem - Aliás, sabes que mais? O serão de ontem fez-me lembrar os velhos tempos: o quarto do Tom, as pizzas, as cervejas, a televisão sem dar nada de jeito... - Bill sorveu mais um pouco do seu café - O Tom que não consegue tirar as mãos de cima da Hayden, a Hayden que continua com mau gosto... - Hayden sorriu, à-vontade com a provocação de Bill, enquanto Charlotte se ria divertida. Tom foi o único que barafustou para si próprio antes de se fazer ouvir.

- Não tens nada mais interessante para fazer do que abrir a boca para me provocar? 

- Não. - Respondeu Bill enquanto se ria, bem-disposto.

Tom limitou-se a revirar os olhos - Vais fazer com que o meu mau humor volte.

- Tenho a certeza de que a Hayden trata bem do assunto para que isso não aconteça. - Retorquiu Bill. Charlotte continuou a rir com as insinuações do noivo - Sabias que a Hayden deixou as limpezas, Charlie?

- Isso explica porque dormiu cá. - Disse Charlotte a sorrir para Hayden - O dinheiro não te vai fazer falta? - A babysitter limitou-se a encolher os ombros.

- Há coisas mais importantes que o dinheiro. - A resposta da sua morena fez com que Tom sorrisse discretamente. Apertou-lhe suavemente a cintura e acabou de beber a primeira dose de cafeína do seu dia.

- Como o motivo que a levou a deixar as limpezas. - Comentou Bill ao que Charlotte vacilou o olhar por Hayden e Tom, percebendo Bill.

- Ela fê-lo por um melhor emprego. - Disse Tom, enxotando a ideia de que fora por ele que ela deixara um dos seus trabalhos, ainda que esse fosse o principal motivo e isso estivesse à vista de todos. Contudo, assumi-lo seria afirmar coisas ainda mais profundas que existiam mas com que Tom ainda se recusava a lidar - Fê-lo porque poderá ter um horário normal, manhãs e tardes, e um salário melhor sem precisar de se esfolar a trabalhar.

- E porque, pelos vistos, terá mais tempo para ti. - Retorquiu Charlotte num tom sugestivo que fazia, claramente, alusão ao tipo de afecto que presenciara naquela cozinha. Depois, como se a novidade tivesse chegado a novos patamares do seu cérebro, ela endireitou-se, de cenho franzido - Isso significa que não vais poder continuar a ficar com a Joanne... - Charlotte olhou para Bill e partilhou o seu transtorno.

- Eu vou continuar a tomar conta da pequena. - Disse Hayden ao que a outra abanou a cabeça, assimilando melhor as novidades.

- Se vais trabalhar manhãs e tardes não vais conseguir. - Disse Charlotte ao fazer uma careta - Logo agora que falta pouco mais de dois meses para o casamento.

- Mas...

- O propósito de arranjarmos alguém que ficasse com a Jo foi exactamente esse. - Continuou Charlotte, falando por cima de Hayden, dirigindo-se ao noivo - Lembras-te? Porque iríamos estar atarefados com trabalho e com os preparativos para o casamento. Agora que nos estamos a aproximar da data as coisas não ficam mais simples e precisamos de alguém que cuide da Jo até chegares a casa. É melhor procurarmos outra babysitter.

- Charlotte, eu nem sequer sei se fiquei com o trabalho... - Manifestou-se Hayden, ligeiramente retraída.

Era-lhe inevitável sentir um peso no peito com toda aquela situação. Não gostava de pensar que estava a deixar Charlotte na mão quando ela precisava de si e para ajudar, ainda que não tivesse esse direito, sentia-se desvalorizada e substituível. Estava mesmo a agir correctamente? Não tomava o novo trabalho como garantido mas as suas atitudes mostravam o contrário. Ainda nem sequer sabia se tinha um novo e melhor emprego e, pelos vistos, já conseguira ficar sem dois dos três que mantinha.

- Pufff, mas tu duvidas? - Indagou Charlotte. A preocupação com o que iria fazer para arranjar quem ficasse com a sua filha foi posta de lado. Animada, sorridente, a noiva de Bill debruçou-se sobre a ilha de mármore e agarrou numa mão de Hayden, apertando a mesma para lhe transmitir força - É claro que o vais conseguir. - Estava mesmo a ser sincera e Hayden podia afirmá-lo ao olhar Charlotte nos olhos. A satisfação traduzida em brilho não podia ser fingida. Contudo, nada disso afastava a insegurança que ela agora sentia - É para o quê?

- Para o lugar de recepcionista num stand de automóveis... - Respondeu Hayden ao encolher os ombros, sorrindo sem jeito - É melhor que limpezas...

- Tu tens isto no papo. E eu estou a torcer por ti. - Disse Charlotte - Sabes que mais? Devíamos sair todos juntos e começar já a comemorar o teu sucesso. Não têm como dizer que é uma péssima ideia porque não é. - Acrescentou ao olhar para os gémeos, à vez, que não contestaram. Contudo, com Hayden a história era outra.

- Não é uma péssima ideia, mas não me parece bem.

- Oh, não sejas parva. - Disse Charlotte, revirando os olhos.

- Um almoço. - Disse Bill, apoiando a ideia da noiva - Eu conheço um restaurante fantástico. A Jo adora lá ir. - Sorriu - Um almoço na cidade não faz mal a ninguém.

- E depois, podíamos dar uma vista de olhos em roupas de cerimónia. Acho que está mais do que na hora de ver do meu vestido. - Disse Charlotte sorridente - Vou querer a tua opinião, Hayden. Podemos dar uma vista de olhos num outfit para ti.

- E para o Tom, também. Alguém tem de lhe colocar juízo. - Meteu-se Bill ao olhar para o irmão. Andava há já algum tempo a tentá-lo convencer de que calças de ganga com um blazer não correspondiam ao conceito de roupa formal - Mas não hoje. Nós temos de trabalhar.

- E eu o restaurante. Hoje tenho de ir mais cedo. - Juntou Hayden.

- Oh... - Proferiu Charlotte com um beicinho - Segunda-feira, então? Tenho a tarde livre. Podíamos encontrar-nos os três. - Apontou para si própria, para o moreno e a sua companhia - Queria mesmo que estivesses presente, Hayden.

- Eu acho que podia ser. Depois de estares despachada. - Disse Tom para Hayden à espera da sua resposta, como se ela pudesse dizer não. Ela limitou-se a sorrir ligeiramente e a acenar com a cabeça - Fica combinado então.

- Perfeito! Estou ansiosa por experimentar vestidos! - Exclamou Charlotte, volvendo-se para Bill, puxando-o para si pela camisola - Ainda mais ansiosa para casar contigo. - Bill sorriu deslumbrado para Charlotte e beijou-a com desejo, crente de que o mundo podia acabar naquele momento que morreria feliz - Ok, ahm...ainda é cedo. - Proferiu quando refeita do beijo que Bill lhe dera - A Jo ainda está a dormir e faltam umas horas para o almoço. Eu preciso de fazer uns telefonemas e gostava que tu me ajudasses a dar uma vista de olhos nuns pormenores para o copo-d'água, Bill.

- Claro. - Manifestou-se o loiro com satisfação. Adorava fazer parte daquela experiência única com a mulher que amava.

- E nós? - Perguntou Tom a Hayden quando Bill e Charlotte abandonaram a cozinha. As suas ideias estavam bastante definidas e quando lhe tirou a caneca fria das mãos e a volveu de frente para si, o moreno mostrou isso mesmo a Hayden. Ela sorriu ligeiramente para ele; os seus braços presos pelas mãos de Tom.

- Posso tomar um banho? - Perguntou Hayden - Se nós vamos sair eu gostaria de tirar o ar de quem acabou de sair da cama. - Tom riu-se ligeiramente e passou uma mão pelo rosto dela, beijando-lhe os lábios de forma repenicada.

- Eu gosto. Do teu ar. De quem. Acabou. De sair. Da cama. - Afirmou Tom, pausadamente, intercalando as palavras com beijos. Conseguia senti-la um pouco tensa e ficou feliz quando a ouviu a rir - Sabes uma coisa? Eu estava a pensar que... Ahh, nãooooo! - Protestou quando ouviu o telefone a tocar e Bill o avisou que se tratava de trabalho - Porque é estou sempre a ser interrompido quando quero estar contigo? - Hayden limitou-se a sorrir e voltou a beijar os lábios dele.

- É melhor atenderes. - Declamou ao afastar-se de Tom, fazendo-se de útil ao limpar as canecas usadas no pequeno-almoço - Posso usar a tua casa de banho?

Tom por fim levantou-se do seu banco e aproximou-se de Hayden para beijar o seu rosto antes de sair da cozinha - E alguma roupa minha, se precisares. Estou a ir! - Gritou para Bill quando este o voltou a chamar, depois de voltar a beijar a bochecha de Hayden, bufando ao sair da cozinha por insistir no que adiava os seus planos - Chato...

 

5 comentários

Comentar post